MENU

História Resumo

Independência dos Estados Unidos

A Independência dos Estados Unidos teve suas raízes na assinatura do Tratado de Paris em 1763, onde finalizou a Guerra dos Sete Anos. Ao final do conflito, o território do Canadá foi incorporado pela Inglaterra. Neste contexto, as treze colônias começaram a ter seguidos e crescentes conflitos com a metrópole inglesa, pois, devido aos enormes gastos com a guerra, a metrópole aumentou a exploração sobre essas áreas.

Além da cobrança excessiva de impostos, os ingleses em 1765 proibiram a abertura de estabelecimentos fabris nas colônias e a adição de novos impostos de produção sobre a fabricação de tintas, vidro, papel e principalmente chá. Em 1773, devido à alta dos impostos, ocorreu em Boston a revolta do chá.

Na Filadélfia em 5 de Setembro de 1774, se reuniram os representantes das treze colônias no chamado então primeiro congresso continental. Neste encontro foi redigida uma declaração de direitos e exigido o retorno à situação anterior. O Parlamento britânico não aceitou as reivindicações da colônia, aumentando desta forma os atritos entre as treze colônias e o governo central, culminando com a eclosão da guerra em 1775.

No decorrer do conflito, os representantes das colônias reuniram-se no segundo Congresso de Filadélfia (1775) e Thomas Jefferson redigiu a Declaração da Independência dos Estados Unidos, promulgada em 4 de julho de 1776. Procede-se também à constituição de um exército, cujo comando é confiado ao fazendeiro George Washington.

Pela primeira vez na história da expansão europeia, uma colônia tornava-se independente dos países meio por um ato revolucionário. E fazia-o não só proclamando ao mundo, no documento histórico aprovado no 4 de Julho, o direito à independência e à livre escolha de cada povo e de cada pessoa, mas ainda construindo uma federação de estados dotados de uma grande autonomia e aprovando uma constituição política, sendo a primeira da História mundial, onde se consignavam os direitos individuais dos cidadãos, se definiam os limites dos poderes dos diversos estados e do governo federal, e se estabelecia um sistema de equilíbrio entre os poderes legislativo, judiciário e executivo de modo a impedir a supremacia de qualquer deles, além de outras disposições inovadoras.

A guerra teria fim em 1783, quando a independência dos Estados Unidos foi reconhecida pelo Reino Unido no Tratado de Paris de 1783. Apesar da estrutura social ter permanecido inalterada, o norte continuou capitalista e no sul a escravidão foi mantida, a Guerra da Independência dos Estados Unidos é chamada de revolução por ter instituído, na Constituição de 1787, vigente até hoje, uma república federal, a soberania da nação, e divisão tripartida dos poderes. Além disso, influenciou as revoluções liberais que aconteceriam na Europa, como a Revolução Francesa.