MENU

30/04/2017

Álbum de fotos

Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil

Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo


Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Casas Flutuantes e Pirarucu - Manaus - Amazonas AM - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo



Casas Flutuantes


São muitas as famílias que moram em casas flutuantes no Amazonas. As vantagens principais desse tipo de construção é ser móvel e também não sofrer com os constantes períodos de seca e cheia – a medida em que a água sobe, a casa sobe também e flutua.
Comunidades vivem à beira do rio afastadas da cidade e ao seu redor estão igrejas flutuantes (para todos os gostos e cleros, não podiam faltar!), escolas flutuantes, bares flutuantes, restaurantes flutuantes, mercados flutuantes. Para se movimentarem de um lugar para o outro usam a canoa equipada com rabetinha. Ou, como é comum, usam o remo.




Pirarucu


O pirarucu (nome científico: Arapaima gigas) é um dos maiores peixes de águas doces fluviais e lacustres do Brasil. Pode atingir três metros e seu peso pode ir até 200 kg. É um peixe que é encontrado geralmente na bacia Amazônica, mais especificamente nas áreas de várzea, onde as águas são mais calmas. Costuma viver em lagos e rios de águas claras e ligeiramente alcalinas com temperaturas que variam de 24 a 37 °C, não sendo encontrado em zona de fortes correntezas e águas ricas em sedimentos.
É conhecido também como o bacalhau da Amazônia. Seu nome se originou de dois termos tupis: pirá, "peixe" e urucum, "vermelho", devido à cor de sua cauda.
Esta espécie de peixe possui características biológicas e ecológicas bem distintas: De grande porte, sua cabeça é achatada e ossificada, com um corpo alongado e escamoso. Pode crescer até três metros de comprimento e pesar cerca de 250 kg, possui dois aparelhos respiratórios, as brânquias, para a respiração aquática e a bexiga natatória modificada, especializada para funcionar como pulmão, no exercício da respiração aérea, obrigatória principalmente durante a seca, ocasião em que os peixes formam casais, procuram ambientes calmos e preparam seus ninhos, reproduzindo durante a enchente; é papel do macho proteger a prole por cerca de seis meses. Os filhotes apresentam hábito gregário, e durante as primeiras semanas de vida, nadam sempre em torno da cabeça do pai, que os mantém próximos à superficie, facilitando-lhes o exercício da respiração aérea.
Apesar de ser uma espécie resistente, suas características ecológicas e biológicas o tornam bastante vulnerável à ação de pescadores. Os cuidados com os ninhos, após a desova expõe os reprodutores à fácil captura com redes de pesca ou arpão. Durante o longo período de cuidados paternais, a necessidade fisiológica de emergir para respirar ocorre em intervalos menores, ocasião em que os peixes são pescados. O abate dos machos nestas circunstâncias e também a longa fase de imaturidade sexual dos filhotes, conhecidos como "bodecos" onde seu peso varia entre 30 e 40 quilos, propicia a captura destes por predadores naturais como as piranhas, fazendo assim com que o sucesso reprodutivo da espécie seja diminuído.
O Pirarucu não apresenta dimorfismo sexual externo, salvo quando em época de reprodução, que apresenta diferenças nas colorações de suas escamas.
O pirarucu é servido como componente principal em diversos pratos típicos do Amazonas, um desses pratos é o "Piracucu à casaca" que é bastante servido em festejos juninos. Sua carne é bastante apreciada no estado, onde é bastante requisitada. Além disso, partes de seu corpo, como sua escama, eram utilizadas no passado como lixas para unhas e outras utilidades.
Segundo a mitologia indígena difundida na Amazônia, Pirarucu teria se originado do disformismo de um índio que pertencia a tribo dos uaiás (não sendo um consenso), que habitara as planícies da Amazônia. Ele seria um bravo guerreiro, que tinha um coração perverso, mesmo sendo filho de Pindarô, um homem de bom coração e também chefe da tribo.
O índio era cheio de vaidades, egoísmo e excessivamente orgulhoso de seu poder. Um dia, enquanto seu pai fazia uma visita amigável a tribos vizinhas, Pirarucu se aproveitou da ocasião para tomar como refém índios da aldeia e executá-los sem nenhum motivo. Pirarucu também adorava insultar os deuses.
Tupã, o deus dos deuses, observou Pirarucu por um longo tempo, até que cansado daquele comportamento decidiu punir Pirarucu. Tupã chamou Polo e ordenou que ele espalhasse seu mais poderoso relâmpago na área inteira. Ele também chamou Iururaruaçu, a deusa das torrentes, e ordenou que ela provocasse as mais fortes torrentes de chuva sobre Pirarucu, que estava pescando com outros índios as margens do rio Tocantins (sem consenso), não muito longe da aldeia.
O fogo de Tupã foi visto por toda a floresta. Quando Pirarucu percebeu as ondas furiosas do rio e ouviu a voz enraivecida de Tupã, ele somente as ignorou com uma risada e palavras de desprezo. Então Tupã enviou Chandoré, para atirar relâmpagos e trovões sobre Pirarucu, enchendo o ar de luz. Pirarucu tentou escapar, mas enquanto ele corria por entre os galhos das árvores, um relâmpago fulminante enviado por Chandoré, acertou o coração do guerreiro que mesmo assim ainda se recusou a pedir perdão.
Todos aqueles que se encontravam com Pirarucu correram para a selva terrivelmente assustados, enquanto o corpo de Pirarucu, ainda vivo, foi levado para as profundezas do rio Tocantins e transformado em um gigante e escuro peixe. Pirarucu desapareceu nas águas e nunca mais retornou, mas por um longo tempo foi o terror da região.




Manaus


Manaus é um município brasileiro, capital do estado do Amazonas, localizado na Região Norte do país. É uma cidade histórica e portuária, localizada no centro da maior floresta tropical do mundo. Pertence à mesorregião do Centro Amazonense e à microrregião homônima, está siituada na confluência dos rios Negro e Solimões, sendo uma das cidades brasileiras mais visitadas por turistas, o que a coloca como o décimo maior destino turístico do país. Destaca-se pelo seu patrimônio arquitetônico e cultural, com notáveis museus, teatros, templos, palácios e bibliotecas. Está localizada no extremo norte do país, a 3 490 quilômetros de Brasília.
É o município mais populoso do Amazonas e da Região Norte do Brasil, com sua população estimada em 2,1 milhões de habitantes, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2016. Em nível nacional, Manaus é o sétimo município mais populoso, depois de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Fortaleza e Belo Horizonte, além da 131ª mais populosa do mundo. É sede da Região Metropolitana de Manaus, a décima primeira mais populosa do Brasil, com 2 568 817 habitantes, representando 1,22% da população total brasileira. Apesar de registrar uma das maiores economias do país e ser um de seus municípios mais populosos, Manaus possui um dos menores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) dentre as capitais brasileiras, com 0,737 pontos (considerado alto), o que a coloca na 23ª colocação entre as capitais estaduais do país, à frente somente de outras quatro capitais. Em sua região metropolitana, o índice é ainda mais baixo, com 0,720 pontos, o menor resultado entre as 16 principais regiões metropolitanas brasileiras.
Originalmente fundada em 1669 pelos portugueses com o forte de São José do Rio Negro, foi elevada à vila em 1832 com o nome de Manaos, em homenagem à nação indígena dos manaós, sendo legalmente transformada em cidade no dia 24 de outubro de 1848 com o nome de Cidade da Barra do Rio Negro. Somente em 4 de setembro de 1856 voltou a ter seu nome atual. Ficou conhecida no começo do século XX como a Paris dos Trópicos, devido a sua intensa modernização durante a época áurea da borracha, atraindo investimentos estrangeiros e imigrantes de algumas partes do mundo, sobretudo franceses. Nessa época foi batizada como "Coração da Amazônia" e "Cidade da Floresta". Atualmente, seu principal motor econômico é o setor terciário, respondendo pela maior parte de seu Produto Interno Bruto. Em seguida, o setor secundário, destacando-se o Polo Industrial de Manaus.
Com a sexta maior economia do Brasil por PIB municipal, a cidade aumentou gradativamente a sua participação na composição do setor econômico brasileiro nos últimos anos, passando a responder por 1,2% da economia brasileira. No ranking da revista América Economía, Manaus aparece como uma das 30 melhores cidades no ramo de negócios da América Latina, ficando à frente de capitais de países sul-americanos como Caracas, Assunção e Quito. A capital foi uma das doze cidades-sede brasileiras da Copa do Mundo de 2014, assim como uma das cinco subsedes das Olimpíadas Rio 2016.




Amazonas AM


Amazonas é uma das 27 unidades federativas do Brasil, sendo a maior delas em território, com uma área de 1 559 159,148 km², constituindo-se na nona maior subdivisão mundial, sendo maior que as áreas da França, Espanha, Suécia e Grécia somadas. Seria o décimo sexto maior país do mundo em área territorial, pouco superior à Mongólia. É maior que a Região Nordeste com seus nove estados, e equivale a 2,25 vezes a área do estado norte-americano do Texas. A área média de seus 62 municípios é de 25 335 km², superior à área do estado brasileiro de Sergipe. O maior de seus municípios em extensão territorial é Barcelos, com 122 476 km² e o menor é Iranduba, com 2 215 km². Pertencente à Região Norte do Brasil, é a segunda unidade federativa mais populosa desta macrorregião, com seus 4 milhões de habitantes em 2016, sendo superado apenas pelo Pará. No entanto, apenas dois de seus municípios possuem população acima de 100 mil habitantes: Manaus, a capital e sua maior cidade com 2,1 milhões de habitantes em 2016, que concentra cerca de 50% da população do estado, e Parintins, com pouco mais de 112 mil habitantes. O estado é ainda, subdividido em 13 microrregiões e 4 mesorregiões. Seus limites são com o estado do Pará ao leste; Mato Grosso ao sudeste; Rondônia e Acre ao sul e sudoeste; Roraima ao norte; além da Venezuela, Colômbia e Peru ao norte, noroeste e oeste, respectivamente.
Em 1850, no dia 5 de setembro, foi criada a Província do Amazonas, desmembrada da Província do Grão-Pará. Os motivos que levaram à criação da Província do Amazonas foram muitos, em especial, a grandíssima área territorial administrada pelo Grão-Pará, com capital em Belém, e as tentativas fracassadas do Peru em ampliar suas fronteiras com o Brasil, com o apoio dos Estados Unidos. O estado possui um dos mais baixos índices de densidade demográfica no país, superior apenas ao do estado vizinho, Roraima. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2016 a densidade demográfica equivale a 2,54 habitantes por quilômetro quadrado.
Detém 98% de sua cobertura florestal preservada e um dos maiores mananciais de água doce do planeta, proveniente da maior rede hidrográfica do mundo. A hidrografia do estado, entretanto, sofre grande influência de vários fatores como precipitação, vegetação e altitude. Em geral, os rios amazonenses são navegáveis e formam sua maior rede de transporte. Possui o maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) (empatado com o Amapá) e o maior PIB per capita entre todos os estados do Norte do Brasil. A Região Metropolitana de Manaus, com uma população superior aos 2,5 milhões de habitantes e sendo a maior em área territorial do mundo, é sua única região metropolitana. O Pico da Neblina, ponto culminante do Brasil, também está localizado no território amazonense.