MENU

22/03/2017

Álbum de fotos

Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil

Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo


Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo
Cuiabá - Mato Grosso MT - Brasil - Viagem Volta ao Mundo - Just Go #JustGo



Homenagem a Cuiabá - Autoria: Marta de Oliveira Barbiero



Como madeira rolando
Por todo o sul do país
A procurar um lugar tranquilo
Para criar os meus filhos
E fincar minha raiz.
Há três décadas passadas
Buscando ali a acolá
Numa procura sem fim
Vim para Cuiabá .
O início foi complicado
Eu era mais uma pau rodado
Pensava... vai ser difícil para me acostumar
Um calor, todos os dias
E, aquele jeito diferente
Sossegado, no falar.
E, observando essa gente
Tão acolhedora e amiga
Que o mormaço foi-se acomodando,
Já não sentia a fadiga
O calor transformou-se em abraço
Desse acolher, dessa gente,
E aquele palavreado sossegado
Aos poucos foi assimilado!
Com minha curiosidade
Estudei a sua história
E como Cuiabá surgiu
Observando suas praças, igrejas,
As arborizadas avenidas,
Encantei-me com a história
Da grande lavra do sutil
Admirei suas palmeiras centenárias
Dos tempos imperiais
Que pena! Agora, não há mais!
Contaram-me da prainha
Onde um córrego de águas cristalinas
Corria canalizado
Diziam-me os mais antigos
Que ouro, ali, era encontrado
Debaixo onde era cimento
E, que ninguém mais observava
Os lindos monumentos
Deixados ali, pelo tempo
Imaginei o coreto, as luminárias
Na praça que ainda continha
Pensei nos casais que flertavam
Ao som de pequenas bandinhas
Sob a luz, das luminárias antigas
Ao lado, casarões de grandes janelas
Por onde a brisa passava
Não havia correria
Sentados nas portas, nas calçadas
Contar os fatos do dia
Ou mesmo para observar
Toda aquela vizinhança que se conheciam
E, os dias passavam devagar.
Porém, o tempo passou
Aquela calma, acabou
Brotando por todos os lados
Prédios e condomínios
Mudando a cidade
Querendo crescer para o céu
E, a história dos seus casarões
O progresso foi encobrindo
Numa sentença cruel
Janelas ganharam grades
Muros subiram também
A vizinhança ficou estranha
Ninguém conhece, ninguém!
Os moradores antigos
Recolheram suas cadeiras
Já não conversam mais.
O povo, vive assustado
Com tamanho desenvolvimento
E, aquela certa magia
Do falar vagaroso
Do jeito despreocupado
Ficaram só na memória
Como as palmeira imperiais
No mormaço, deu-se um jeito
Refrigerando o lugar e o córrego da prainha
Aquele canalizado
Agora vai dar lugar para o trem passar!
A vida agora tem pressa
Não dá para o tempo voltar!
Parabéns Cuiabá, bem-vinda à modernidade
Será complicada no início
Vamos ter que acostumar
Assim como essa pau-rodado
Que aprendeu te amar!





Cuiabá - Tião Carreiro e Pardinho



Embelezando o centro-oeste brasileiro,
Há um rincão hospitaleiro,
Que mais lindo aqui não há;
Cidade verde, onde o mau se desvanece,
E aquele que a conhece,
Não esquece mais de lá;
Terá na alma, todo dia, todo instante,
A poesia fascinante,
Da formosa cuiabá.

Linda capital matogrossense, refrão:
Salve tua gente tão gentil.
Hoje fazes parte da história,
Pois te deu esta vitória,
Tua raça varonil.
Nossos parabéns, irmãos queridos,
Cuiabanos destemidos,
Que orgulham o brasil.

Quase três séculos, registra o calendário,
Salve teu aniversário,
Capital das catedrais;
Estas em festa, relembrando os pioneiros,
Na alvorada os canoeiros,
Entoando madrigais;
E a brisa mansa, ao cair do sol poente,
Balançando docemente,
As palmeiras imperiais.