Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul



O extrativismo é a atividade mais antiga praticada pela humanidade. Consiste na coleta de produtos naturais de origem animal, vegetal e mineral, que podem ser consumidos in natura ou são utilizados como matéria-prima nas indústrias de transformação.

A atividade extrativista, quando realizada de forma clandestina e indiscriminada, causa grandes danos à natureza, e pode até levar à extinção de determinadas espécies vegetais e animais, como a extração indiscriminada da madeira.


Caminhão com lascas de itaúba em Campo Grande (MS)


Caminhão com lascas de itaúba em Campo Grande (MS)

Caminhão com lascas de itaúba em Campo Grande (MS)

Caminhão com lascas de itaúba em Campo Grande – Imagem em Alta Resolução



Extrativismo vegetal: por vários séculos o extrativismo da mata nativa concentrou-se na extração da madeira, realizada de forma indiscriminada no passado. Atualmente, obedece às normas da legislação, para garantir a conservação dos ecossistemas mesmo fazendo uso dos recursos naturais.

Muitas carvoarias, instaladas no estado, cometem crime ambiental ao fazer o desmatamento sem autorização legal da madeira, para a produção do carvão vegetal, contribuindo para o desequilíbrio ambiental. O trabalho nas carvoarias é pesado e desumano e muitas delas empregam crianças, mesmo sabendo que é proibido utilizar o trabalho infantil.

O desmatamento também ocorre para fornecer matéria-prima para as indústrias de fabricação da celulose e papel na região leste do estado.

No Pantanal, a espécie de maior aproveitamento é o quebracho, do qual se extrai o tanino, utilizado no curtimento do couro. A erva-mate também foi fonte de riqueza para o extrativismo do estado e produto de exportação por um longo período. Atualmente as lavouras são cultivadas.


Criança trabalhando em carvoaria.


Criança trabalhando em carvoaria.

Criança trabalhando em carvoaria.

Criança trabalhando em carvoaria – Imagem em Alta Resolução



Extrativismo animal: o estado possui fauna muito rica e diversificada, e por isso tem atraído muitos caçadores, embora o extrativismo animal representado pela caça não tenha expressão comercial oficializada, assim muitas das atividades de caça são ilegais e consideradas predatórias.

Um exemplo é a matança indiscriminada de jacarés, aves como a garça, animais como lontras, ariranhas, que ocasionam o desequilíbrio ambiental e até mesmo a extinção de algumas espécies.


Extrativismo animal - Jacaré


Extrativismo animal - Jacaré

Extrativismo animal - Jacaré

Extrativismo animal - Jacaré – Imagem em Alta Resolução



Extrativismo mineral: atualmente, a mineração desenvolveu-se e passou a ser atividade extrativista que se utiliza de alta tecnologia e tem produção em larga escala, por isso é considerada uma atividade industrial.

Os minérios mais explorados são: ferro, calcário, manganês, estanho, mármore e rocha britada. Na cidade de Corumbá, encontra-se a jazida de Urucum, de onde é extraído o manganês. As jazidas de calcário estão nos municípios de Miranda, Bodoquena, Bonito e Bela Vista.


Vista geral da estação de britagem no complexo de Corumbá (MS), localizado no Morro do Urucum.


 Vista geral da estação de britagem no complexo de Corumbá (MS), localizado no Morro do Urucum.

Produção de manganês no Maciço de Urucum em Corumbá. O maciço recebeu este nome pela cor de suas terras que se assemelha à cor das sementes do urucum. Vista geral da estação de britagem no complexo de Corumbá (MS), localizado no Morro do Urucum.

Produção de manganês no Maciço de Urucum em Corumbá – Imagem em Alta Resolução




Sementes de urucum


Sementes de urucum.

Sementes de urucum.

Sementes de urucum – Imagem em Alta Resolução





 Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul

Conteúdo correspondente: