O Diário de Anne Frank


Quinta-feira, 6 de julho de 1944


Querida Kitty


Sinto o coração apertado quando Peter fala em ser criminoso ou jogador, mais tarde; embora fale por brincadeira, tenho a impressão de que ele teme a própria fraqueza. Já ouvi muitas vezes de Margot e Peter: "Se eu fosse forte e corajosa como você, se eu fosse persistente, se insistisse no que quero, então..."

Será uma qualidade boa a de não me deixar influenciar? Será certo seguir exclusivamente a própria consciência?

Sabe, não consigo meter na cabeça como alguém pode dizer: "Sou fraco", e continuar assim. Afinal, se reconhece a fraqueza, por que não luta contra ela, por que não treina o caráter? Sabe qual foi a resposta? "Porque é muito mais fácil." Fiquei decepcionada. Fácil? Quer dizer que uma vida inútil e falsa é vida fácil? Não me conformo, isso não pode ser verdade, não deve ser verdade, as pessoas podem facilmente ser tentadas pela inatividade e... pelo dinheiro.

Durante muito tempo pensei na resposta que daria a Peter para fazer com que ele passe a acreditar em si mesmo e, acima de tudo, tente melhorar. Entretanto, não sei se a linha de meu pensamento é certa ou não.

Pensei muitas vezes em como seria maravilhoso possuir a confiança completa de alguém, mas agora, agora que já cheguei lá, compreendo como é difícil saber o que a outra pessoa pensa e, então, descobrir a resposta certa, especialmente porque as próprias palavras "fácil" e "dinheiro" são completamente estranhas e novas para mim.

Peter está começando a se apoiar um pouco em mim, e isso não deve acontecer de forma alguma. Um tipo como Peter acha difícil manter-se nos próprios pés, porém mais difícil ainda é manter-se como ser consciente e vivo. Se a gente o consegue, é duas vezes mais difícil conservar o rumo através dos mares de problemas e permanecer constante apesar de tudo. Quanto a mim, estou à deriva, há dias que busco um argumento contra a terrível palavra "fácil", um argumento que acerte as coisas de uma vez por todas.

Como posso tornar claro para ele que o que lhe parece fácil e atraente o levará a abismos, abismos onde não encontrará consolo, amigos nem beleza, abismos de onde é quase sempre impossível as pessoas se reerguerem?

Todos nós vivemos, mas sem saber o porquê nem o para quê. Vivemos todos com o objetivo de ser felizes. Nossas vidas são diferentes e, no entanto, iguais. Nós três fomos educados em boas famílias, tivemos oportunidade de aprender e possibilidade de atingir algo. Temos todas as chances para esperar muita felicidade, mas... é preciso que trabalhemos para merecê-la. E isso não é fácil. É preciso trabalhar, fazer o bem, não ser preguiçoso e jogador, se se quer merecer a felicidade. Preguiça pode parecer atraente, mas trabalho dá satisfação.

Não consigo entender gente que não gosta do trabalho, mas esse não é o caso de Peter; falta-lhe um objetivo determinado e não se julga suficientemente inteligente; ao contrário, julga-se inferior para realizar qualquer coisa. Tenho pena dele, jamais soube o que significa fazer felizes outras pessoas e, infelizmente, não lhe posso ensinar isso também. Não tem religião, zomba de Jesus Cristo e pragueja usando o nome de Deus; apesar de eu também não ser ortodoxa, sinto-me triste quando o vejo assim desarvorado, tão escarnecedor e tão pobre de espírito.

As pessoas que têm religião devem alegrar-se, pois nem a todos é dado o dom de acreditar nas coisas divinas. Necessariamente, nem se precisa temer castigo depois da morte; purgatório, céu e inferno são coisas que muita gente não consegue aceitar, mas afinal uma religião, seja ela qual for, conserva a pessoa no caminho reto. Não é o temor de Deus, mas o sustentáculo de nossa própria honra e consciência. Que maravilha se as pessoas, todas as noites, antes de dormir recapitulassem mentalmente os acontecimentos do dia que passou e considerassem o que haviam feito de bom e de mau. Então, mesmo sem perceber, tentariam aperfeiçoar-se, ao começar um novo dia; é claro que se consegue muito, com o correr do tempo. Qualquer um pode fazer isso, não custa nada e, certamente, ajuda muito. Quem não sabe precisa aprender a descobrir, pela experiência, que "uma consciência em paz torna as pessoas fortes".


Sua Anne.




O Diário de Anne Frank - Links

Conteúdo correspondente: