Machado de Assis - Teatro



Machado de Assis - Desencantos



Publicado originalmente por Paula Brito, Rio de Janeiro, 1861.


Fantasia Dramática


A Quintino Bocaiúva


PERSONAGENS


CLARA DE SOUZA

LUÍS DE MELO

PEDRO ALVES


PRIMEIRA PARTE


Em Petrópolis (Um jardim. Terraço no fundo.)

Cena I

CLARA, LUÍS DE MELO CLARA Custa a crer o que me diz. Pois, deveras, saiu aborrecido do baile? LUÍS É verdade. CLARA Dizem entretanto que esteve animado... LUÍS Esplêndido! CLARA Esplêndido, sim!

LUÍS Maravilhoso! CLARA Essa é pelo menos a opinião geral. Se eu lá fosse, estou certa de que seria a

minha. LUÍS Pois eu lá fui e não é essa a minha opinião. CLARA É difícil de contentar nesse caso. LUÍS Oh! não. CLARA Então as suas palavras são um verdadeiro enigma. LUÍS Enigma de fácil decifração. CLARA Nem tanto. LUÍS Quando se dá preferência a uma flor, à violeta, por exemplo, todo o jardim onde

ela não apareça, embora esplêndido, é sempre incompleto. CLARA Faltava então uma violeta nesse jardim? LUÍS Faltava. Compreende agora? CLARA Um pouco LUÍS Ainda bem! CLARA Venha sentar-se neste banco de relva, à sombra desta árvore copada. Nada lhe

falta para compor um idílio, já que é dado a esse gênero de poesia. Tinha então

muito interesse em ver lá essa flor?

LUÍS

Tinha. Com a mão na consciência, falo-lhe a verdade; essa flor não é uma predileção do espírito, é uma escolha do coração. CLARA Veja que se trata de uma paixão. Agora compreendo a razão por que não lhe

agradou o baile, e o que era enigma, passa a ser a coisa mais natural do mundo. Está absolvido do seu delito. LUÍS Bem vê que tenho circunstâncias atenuantes a meu favor. CLARA Então o Senhor ama?

LUÍS Loucamente, e como se pode amar aos vinte e dois anos, com todo o ardor de um coração cheio de vida. Na minha idade o amor é uma preocupação exclusiva, que se apodera do coração e da cabeça. Experimentar outro sentimento, que não seja esse, pensar em outra coisa, que não seja o objeto escolhido pelo coração, é impossível. Desculpe se lhe falo assim...

CLARA

Pode continuar. Fala com um entusiasmo tal, que me fez parecer estar ouvindo algumas das estrofes do nosso apaixonado Gonzaga. LUÍS O entusiasmo do amor é porventura o mais vivo e ardente. CLARA E por isso o menos duradouro. É como a palha que se inflama com intensidade,

mas que se apaga logo depois. LUÍS Não aceito a comparação. Pois Deus havia de inspirar ao homem esse sentimento,

tão suscetível de morrer assim? Demais, a prática mostra o contrário. CLARA Já sei. Vem falar-me de Heloísa e Abelardo, Píramo e Tisbe, e quanto exemplo a

história e a fábula nos dão. Esses não provam. Mesmo porque são exemplos raros, é que a história os aponta. Fogo de palha, fogo de palha e nada mais. LUÍS Pesa-me que de seus lábios saiam essas palavras. CLARA Por quê?

LUÍS Porque eu não posso admitir a mulher sem os grandes entusiasmos do coração. Chamou-me há pouco de poeta; com efeito eu assemelho-me por esse lado aos filhos queridos das musas. Esses imaginam a mulher um ente intermediário que separa os homens dos anjos e querem-na participante das boas qualidades de uns

e de outros. Dir-me-á que se eu fosse agiota não pensaria assim; eu responderei que não são os agiotas os que têm razão neste mundo. CLARA Isso é que é ver as coisas através de um vidro de cor. Diga-me: sente deveras o

que diz a respeito do amor, ou está fazendo uma profissão de fé de homem

político?

LUÍS

Penso e sinto assim.

CLARA

Dentro de pouco tempo verá que tenho razão.

LUÍS

Razão de quê?

CLARA

Razão de chamar fogo de palha ao fogo que lhe devora o coração.

LUÍS

Espero em Deus que não.

CLARA

Creia que sim.

LUÍS Falou-me há pouco em fazer um idílio, e eu estou com desejos de compor uma ode sáfica.

CLARA

A que respeito?

LUÍS

Respeito à crueldade das violetas.

CLARA

E depois ia atirar-se à torrente do Itamaraty? Ah! Como anda atrasado do seu

século! LUÍS Ou adiantado...

CLARA Adiantado, não creio. Voltaremos nós à simplicidade antiga? LUÍS Oh! Tinha razão aquela pobre poetisa de Lesbos em atirar-se às ondas. Encontrou

na morte o esquecimento das suas dores íntimas. De que lhe servia viver amando

sem esperança?

CLARA Dou-lhe de conselho que perca esse entusiasmo pela Antigüidade. A poesia de Lesbos quis figurar na história com uma face melancólica; atirou-se de Leucate. Foi cálculo e não virtude.

LUÍS

Está pecando, minha senhora.

CLARA

Por blasfemar do seu ídolo?

LUÍS

Por blasfemar de si. Uma mulher nas condições da décima musa nunca obra por

cálculo. E V. Exa., por mais que [não] queira, deve estar nas mesmas condições

de sensibilidade, que a poetisa antiga, bem como está nas de beleza.

Cena II

LUÍS DE MELO, CLARA, PEDRO ALVES PEDRO ALVES Boa tarde, minha interessante vizinha. Sr. Luís de Melo! CLARA Faltava o primeiro folgazão de Petrópolis, a flor da emigração! PEDRO ALVES Nem tanto assim. CLARA Estou encantada por ver assim a meu lado os meus dois vizinhos, o da direita e o

da esquerda. PEDRO ALVES Estavam conversando? Era segredo? CLARA

Oh! não. O Sr. Luís de Melo fazia-se um curso de história depois de ter feito outro de botânica. Mostrava-me a sua estima pela violeta e pela Safo. PEDRO ALVES E que dizia a respeito de uma e de outra?

CLARA Erguia-as às nuvens. Dizia que não considerava jardim sem violeta, e quanto ao salto de Leucate, batia palmas com verdadeiro entusiasmo.

PEDRO ALVES

E ocupava V. Exa. com essas coisas? Duas questões banais. Uma não tem valor moral, outra não tem valor atual. LUÍS Perdão, o senhor chegava quando eu ia concluir o meu curso botânico e histórico.

Ia dizer que também detesto as parasitas de todo o gênero, e que tenho asco aos histriões de Atenas. Terão estas duas questões valor moral e atual? PEDRO ALVES

(enfiado)

Confesso que não compreendo. CLARA Diga-me, Sr. Pedro Alves: foi à partida de ontem à noite? PEDRO ALVES Fui, minha senhora. CLARA Divertiu-se? PEDRO ALVES Muito. Dancei e joguei a fartar, e quanto a doces, não enfardei mal o estômago.

Foi uma deslumbrante função. Ah! notei que não estava lá. CLARA Uma maldita enxaqueca reteve-me em casa. PEDRO ALVES Maldita enxaqueca! CLARA Consola-me a idéia de que não fiz falta. PEDRO ALVES

Como? Não fez falta? CLARA Cuido que todos seguiram o seu exemplo e que dançaram e jogaram a fartar, não

enfardando mal o estômago, quanto a doces. PEDRO ALVES Deu um sentido demasiado literal às minhas palavras. CLARA Pois não foi isso que me disse? PEDRO ALVES Mas eu queria dizer outra coisa. CLARA Ah! Isso é outro caso. Entretanto acho que é dado a qualquer divertir-se ou não

num baile, e por conseqüência dizê-lo. PEDRO ALVES A qualquer, D. Clara! CLARA Aqui está o nosso vizinho que acaba de me dizer que se aborreceu no baile... PEDRO ALVES

(consigo)

Ah!(alto) De fato, eu o vi entrar e sair pouco depois com ar assustadiço e penalizado. LUÍS Tinha de ir tomar chá em casa de um amigo e não podia faltar. PEDRO ALVES Ah! foi tomar chá. Entretanto correram certos boatos depois que o senhor saiu. LUÍS Boatos? PEDRO ALVES É verdade. Houve quem se lembrasse de dizer que o senhor saíra logo por não ter

encontrado da parte de uma dama que lá estava o acolhimento que esperava. CLARA (olhando para Luís)

Ah! LUÍS Oh! isso é completamente falso. Os maldizentes estão por toda parte, mesmo nos

bailes; e desta vez não houve tino na escolha dos convidados. PEDRO ALVES Também é verdade. (baixo a Clara) Recebeu o meu bilhete? CLARA (depois de um olhar) Como é bonito o pôr-do-sol! Vejam que magnífico espetáculo! LUÍS É realmente encantador! PEDRO ALVES Não é feio; tem mesmo alguma coisa de grandioso. (vão ao terraço) LUÍS Que colorido e que luz! CLARA Acho que os poetas têm razão em celebrarem esta hora final do dia! LUÍS Minha senhora, os poetas têm sempre razão. E quem não se extasiará diante

deste quadro? CLARA Ah! LUÍS E PEDRO ALVES O que é? CLARA É o meu leque que caiu! Vou mandar apanhá-lo. PEDRO ALVES Como apanhar? Vou eu mesmo. CLARA Ora, tinha que ver! Vamos para a sala e eu mandarei buscá-lo. PEDRO ALVES

Menos isso. Deixe-me a glória de trazer-lhe o leque. LUÍS Se consente, eu faço concorrência ao desejo do Sr. Pedro Alves... CLARA Mas então apostaram-se? LUÍS Mas se isso é um desejo de nós ambos. Decida. PEDRO ALVES Então o senhor quer ir? LUÍS (a Pedro Alves) Não vê que espero a decisão? PEDRO ALVES Mas a idéia é minha. Entretanto, Deus me livre de dar-lhe motivo de queixa, pode

ir. LUÍS Não espero mais nada.

Cena III

PEDRO ALVES, CLARA PEDRO ALVES Este nosso vizinho tem uns ares de superior que me desagradam. Pensa que não

compreendi a alusão da parasita e dos histriões? O que não me fazia conta era

desrespeitar a presença de V. Exa., mas não faltam ocasiões para castigar um

insolente.

CLARA

Não lhe acho razão para falar assim. O Sr. Luis de Melo é um moço de maneiras

delicadas e está longe de ofender a quem quer que seja, muito menos a uma pessoa que eu considero... PEDRO ALVES Acha? CLARA Acho sim.

PEDRO ALVES Pois eu não. São modos de ver. Tal seja o ponto de vista em que V. Exa. se

coloca... Cá o meu olhar apanha-o em cheio e diz-me que ele merece bem uma lição. CLARA Que espírito belicoso é esse? PEDRO ALVES Este espírito belicoso é o ciúme. Eu sinto ter por concorrente a este vizinho que se

antecipa a visitá-la, e a quem V. Exa. dá tanta atenção. CLARA Ciúme! PEDRO ALVES Ciúme, sim. O que me respondeu V. Exa. à pergunta que lhe fiz sobre o meu

bilhete? Nada, absolutamente nada. Talvez nem o lesse; entretanto eu pintava-lhe nele o estado do meu coração, mostrava-lhe os sentimentos que me agitam, fazia-lhe uma autópsia, era uma autópsia, que eu lhe fazia de meu coração. Pobre coração! Tão mal pago dos seus extremos, e entretanto tão pertinaz em amar!

CLARA Parece-me bem apaixonado. Devo considerar-me feliz por ter perturbado a

quietação do seu espírito. Mas a sinceridade nem sempre é companheira da paixão. PEDRO ALVES Raro se aliam é verdade, mas desta vez é assim. A paixão que eu sinto é sincera,

e pesa-me que meus avós não tivessem uma espada pra eu sobre ela jurar... CLARA Isso é mais uma arma de galantaria que um testemunho de verdade. Deixe antes

que o tempo ponha em relevo os seus sentimentos. PEDRO ALVES O tempo! Há tanto que me diz isso! Entretanto continua o vulcão em meu peito e

só pode ser apagado pelo orvalho do seu amor. CLARA Estamos em pleno outeiro. As suas palavras parecem um mote glosado em prosa.

Ah ! a sinceridade não está nessas frases gastas e ocas. PEDRO ALVES O meu bilhete, entretanto, é concebido em frases bem tocantes e simples. CLARA Com franqueza, eu não li o bilhete.

PEDRO ALVES Deveras? CLARA Deveras.

PEDRO ALVES (tomando o chapéu) Com licença. CLARA Onde vai? Não compreende que quando digo que não li o seu bilhete é porque

quero ouvir da sua própria boca as palavras que nele se continham? PEDRO ALVES Como? Será por isso? CLARA Não acredita? PEDRO ALVES É capricho de moça bonita e nada mais. Capricho sem exemplo. CLARA Dizia-me então?... PEDRO ALVES Dizia-lhe que, com o espírito vacilante como baixel prestes a soçobrar, eu lhe

escrevia à luz do relâmpago que me fuzila n’alma aclarando as trevas que uma desgraçada paixão aí me deixa. Pedia-lhe a luz dos seus olhos sedutores para servir de guia na vida e poder encontrar sem perigo o porto de salvamento. Tal é no seu espírito a segunda edição de minha carta. As cores que nela empreguei são a fiel tradução do que sentia e sinto. Está pensativa?

CLARA Penso em que, se me fala verdade, a sua paixão é rara e nova para estes tempos. PEDRO ALVES Rara e muito rara; pensa que eu sou lá desses que procuram vencer pelas

palavras melífluas e falsas? Sou rude, mas sincero. CLARA Apelemos para o tempo. PEDRO ALVES É um juiz tardio. Quando a sua sentença chegar, eu estarei no túmulo e será tarde. CLARA Vem agora com idéias fúnebres! PEDRO ALVES Eu não apelo para o tempo. O meu juiz está em face de mim, e eu quero já beijar

antecipadamente a mão que há de lavrar a minha sentença de absolvição. (quer beijar-lhe a mão. Clara sai) Ouça! Ouça!

Cena IV

LUÍS DE MELO, PEDRO ALVES PEDRO ALVES (só) Fugiu! Não tarda ceder. Ah! o meu adversário! LUÍS

D. Clara? PEDRO ALVES Foi para outra parte do jardim. LUÍS Bom. (vai sair) PEDRO ALVES Disse-me que o fizesse esperar; e eu estimo bem estarmos a sós porque tenho de

lhe dizer algumas palavras. LUÍS Às ordens. Posso ser-lhe útil? PEDRO ALVES Útil a mim e a si. Eu gosto das situações claras e definidas. Quero poder dirigir a

salvo e seguro o meu ataque. Se lhe falo deste modo é porque, simpatizando com as suas maneiras, desejo não trair a uma pessoa a quem me ligo por um vínculo secreto. Vamos ao caso: é preciso que me diga quais as suas intenções, qual o seu plano de guerra; assim, cada um pode atacar por seu lado a praça, e o triunfo será do que melhor tiver empregado os seus tiros.

LUÍS A que vem essa belicosa parábola? PEDRO ALVES

Não compreende. LUÍS Tenha a bondade de ser mais claro. PEDRO ALVES Mais claro ainda? Pois serei claríssimo: a viúva do coronel é uma praça sitiada. LUÍS Por quem? PEDRO ALVES Por mim, confesso. E afirmo que por nós ambos. LUÍS Informaram-no mal. Eu não faço a corte à viúva do coronel. PEDRO ALVES Creio em tudo quanto quiser, menos nisso. LUÍS A sua simpatia por mim vai até desmentir as minhas asserções? PEDRO ALVES Isso não é discutir. Deveras, não faz corte à nossa interessante vizinha? LUÍS Não, as minhas atenções para com ela não passam de uma retribuição a que,

como homem delicado, não me poderia furtar. PEDRO ALVES Pois eu faço. LUÍS Seja-lhe para bem! Mas a que vem isso? PEDRO ALVES A coisa alguma. Desde que me afiança não ter a menor intenção oculta nas suas

atenções, a explicação está dada. Quanto a mim, faço-lhe a corte e digo-o bem

alto. Apresento-me candidato no seu coração e para isso mostro títulos valiosos.

Dirão que sou presumido; podem dizer o que quiser.

LUÍS

Desculpe a curiosidade: quais são esses títulos?

PEDRO ALVES A posição que a fortuna me dá, um físico que pode-se chamar belo, uma coragem capaz de afrontar todos os muros e grades possíveis e imagináveis, e para coroar a obra uma discrição de pedreiro-livre.

LUÍS Só? PEDRO ALVES Acha pouco? LUÍS Acho. PEDRO ALVES Não compreendo que haja precisão de mais títulos além destes. LUÍS Pois há. Essa posição, esse físico, essa coragem e essa discrição, são decerto

apreciáveis, mas duvido que tenham valor diante de uma mulher de espírito. PEDRO ALVES Se a mulher de espírito for da sua opinião. LUÍS Sem dúvida alguma que há de ser. PEDRO ALVES Mas continue, quero ouvir o fim de seu discurso. LUÍS Onde fica no seu plano de guerra, já que aprecia este gênero de figura, onde fica,

digo eu, o amor verdadeiro, a dedicação sincera, o respeito, filho de ambos, e que essa D. Clara sitiada deve inspirar?

PEDRO ALVES A corda em que acaba de tocar está desafinada há muito tempo e não dá som. O amor, o respeito, e a dedicação! Se o não conhecesse diria que o senhor acaba de chegar do outro mundo.

LUÍS Com efeito, pertenço a um mundo que não é absolutamente o seu. Não vê que

tenho um ar de quem não está em terra própria e fala com uma variedade da espécie? PEDRO ALVES Já sei; pertence à esfera dos sonhadores e dos visionários. Conheço boa soma de

seus semelhantes que me tem dado bem boas horas de riso e de satisfação. É uma tribo que se não acaba, pelo que vejo?

LUÍS Ao que parece, não? PEDRO ALVES Mas é evidente que perecerá. LUÍS Não sei. Se eu quisesse concorrer ao bloqueio da praça em questão, era azada

ocasião para julgarmos do esforço recíproco e vermos até que ponto a ascendência do elemento positivo exclui a influência do elemento ideal. PEDRO ALVES Pois experimente.

LUÍS Não; disse-lhe já que respeito muito a viúva do coronel e estou longe de sentir por ela a paixão do amor.

PEDRO ALVES

Tanto melhor. Sempre é bom não ter pretendentes para combater. Ficamos

amigos, não?

LUÍS

Decerto.

PEDRO ALVES

Se eu vencer o que dirá?

LUÍS

Direi que há certos casos em que com toda a satisfação se pode ser padrasto e

direi que esse é o seu caso. PEDRO ALVES Oh! se a Clarinha não tiver outro padrasto senão eu...

Cena V

PEDRO ALVES, LUÍS, D. CLARA CLARA Estimo bem vê-los juntos. PEDRO ALVES Discutíamos.

LUÍS Aqui tem o seu leque; está intacto. CLARA Meu Deus, que trabalho que foi tomar. Agradeço-lhe do íntimo. É uma prenda que

tenho em grande conta; foi-me dado por minha irmã Matilde, em dia de anos

meus. Mas tenha cuidado; não aumente tanto a lista das minhas obrigações; a

dívida pode engrossar e eu não terei por fim com que solvê-la.

LUÍS

De que dívida me fala? A dívida aqui é minha, dívida perene, que eu mal amortizo

por uma gratidão sem limite. Posso eu pagá-la nunca?

CLARA

Pagar o quê?

LUÍS

Pagar essas horas de felicidade calma que a sua graciosa urbanidade me dá e que

constituem os meus fios de ouro no tecido da vida. PEDRO ALVES Reclamo a minha parte nessa ventura. CLARA Meu Deus, declaram-se em justa? Não vejo senão quebrarem lanças em meu

favor. Cavalheiros, ânimo, a liça está aberta, e a castelã espera o reclamo do

vencedor.

LUÍS Oh! a castelã pode quebrar o encanto do vencedor desamparando a galeria e deixando-o só com as feridas abertas no combate.

CLARA

Tão pouca fé o anima?

LUÍS

Não é a fé das pessoas que me falta, mas a fé da fortuna. Fui sempre tão mal-

aventurado que nem tento acreditar por um momento na boa sorte. CLARA Isso não é natural num cavalheiro cristão. LUÍS O cavalheiro cristão está prestes a mourar. CLARA Oh!

LUÍS O sol do Oriente aquece os corações, ao passo que o de Petrópolis esfria-os. CLARA Estude antes o fenômeno e não vá sacrificar a sua consciência. Mas, na realidade,

tem sempre encontrado a derrota nas suas pelejas? LUÍS A derrota foi sempre a sorte das minhas armas. Será que elas sejam mal

temperadas? Será que eu não as maneje bem? Não sei. PEDRO ALVES É talvez uma e outra coisa. LUÍS Também pode ser. CLARA Duvido. PEDRO ALVES Duvida? CLARA E sabe quais são as vantagens de seus vencedores? LUÍS Demais até. CLARA Procure alcançá-las. LUÍS Menos isso. Quando dois adversários se medem, as mais das vezes o vencedor e

sempre aquele, que à elevada qualidade de tolo reúne uma sofrível dose de

presunção. A esse, as palmas da vitória, a esse a boa fortuna da guerra: quer que

o imite? CLARA Disse — as mais das vezes — confessa, pois, que há exceções. LUÍS Fora absurdo negá-las, mas declaro que nunca as encontrei. CLARA

Não deve desesperar, porque a fortuna aparece quando menos se conta com ela. LUÍS Mas aparece às vezes tarde. Chega quando a porta está cerrada e tudo que nos

cerca é silencioso e triste. Então a peregrina demorada entra como uma amiga

consoladora, mas sem os entusiasmos do coração.

CLARA

Sabe o que o perde? É a fantasia.

LUÍS

A fantasia?

CLARA Não lhe disse há pouco que o senhor via as coisas através de um vidro de cor? É o óculo da fantasia, óculo brilhante, mas mentiroso, que transtorna o aspecto do panorama social, e que faz vê-lo pior do que é, para dar-lhe um remédio melhor do que pode ser.

PEDRO ALVES

Bravo! Deixe-me, V. Exa., beijar-lhe a mão.

CLARA

Por quê?

PEDRO ALVES

Pela lição que acaba de dar ao Sr. Luís de Melo.

CLARA

Ah! por que o acusei de visionário? O nosso vizinho carece de quem lhe fale assim.

Perder-se-á se continuar a viver no mundo abstrato das suas teorias platônicas. PEDRO ALVES Ou por outra, e mais positivamente, V. Exa. mostrou-lhe que acabou o reinado das

baladas e da pasmaceira para dar lugar ao império dos homens de juízo e dos espíritos sólidos. LUÍS

V. Exa. toma então o partido que me é adverso? CLARA Eu não tomo partido nenhum. LUÍS Entretanto, abriu brecha aos assaltos do Sr. Pedro Alves, que se compraz em

mostrar-se espírito sólido e homem de juízo. PEDRO ALVES

E de muito juízo. Pensa que eu adoto o seu sistema de fantasia, e por assim dizer, de choradeira? Nada, o meu sistema é absolutamente oposto; emprego os meios bruscos por serem os que estão de acordo com o verdadeiro sentimento. Os da minha têmpera são assim.

LUÍS E o caso é que são felizes. PEDRO ALVES Muito felizes. Temos boas armas e manejamo-las bem. Chame a isso toleima e

presunção, pouco nos importa; é preciso que os vencidos tenham um desafogo. CLARA

(a Luis de Melo)

O que diz a isto? LUÍS Digo que estou muito fora do meu século. O que fazer contra adversários que se

contam em grande número, número infinito, a admitir a versão dos livros santos? CLARA Mas, realmente, não vejo que pudesse responder com vantagem. LUÍS E V. Exa. sanciona a teoria contrária? CLARA A castelã não sanciona, anima os lidadores. LUÍS Animação negativa para mim. V. Exa. dá-me licença? CLARA Onde vai? LUÍS Tenho uma pessoa que me espera em casa. V. Exa. janta às seis, o meu relógio

marca cinco. Dá-me este primeiro quarto de hora? CLARA Com pesar, mas não quero tolhê-lo. Não falte. LUÍS Volto já.

Cena VI

CLARA, PEDRO ALVES PEDRO ALVES Estou contentíssimo. CLARA Por quê? PEDRO ALVES Porque lhe demos uma lição. CLARA Ora, não seja mau! PEDRO ALVES Mau! Eu sou bom até demais. Não vê como ele me provoca a cada instante? CLARA Mas, quer que lhe diga uma coisa? É preciso acabar com essas provocações

contínuas. PEDRO ALVES Pela minha parte, nada há; sabe que sou sempre procurado na minha gruta. Ora,

não se toca impunemente no leão... CLARA Pois seja leão até a última, seja magnânimo. PEDRO ALVES Leão apaixonado e magnânimo? Se fosse por mim só, não duvidaria perdoar. Mas

diante de V. Exa., por quem tenho presa a alma, é virtude superior às minhas forças. E, entretanto, V. Exa. obstina-se em achar-se razão. CLARA Nem sempre.

PEDRO ALVES Mas vejamos, não é exigência minha, mas eu desejo, imploro, uma decisão definitiva da minha sorte. Quando se ama como eu amo, todo o paliativo é uma tortura que se não pode sofrer!

CLARA

Com que fogo se exprime! Que ardor, que entusiasmo!

PEDRO ALVES

É sempre assim. Zombeteira! CLARA Mas o que quer então? PEDRO ALVES Franqueza. CLARA Mesmo contra os seus interesses? PEDRO ALVES Mesmo... contra tudo. CLARA Reflita: prefere à dubiedade da situação, uma declaração franca que lhe vá

destruir as suas mais queridas ilusões? PEDRO ALVES Prefiro isso a não saber se sou amado ou não. CLARA Admiro a sua força d’alma. PEDRO ALVES Eu sou o primeiro a admirar-me. CLARA Desesperou alguma vez da sorte? PEDRO ALVES Nunca. CLARA Pois continue a confiar nela. PEDRO ALVES Até quando? CLARA Até um dia. PEDRO ALVES Que nunca há de chegar.

CLARA Que está... muito breve. PEDRO ALVES Oh! meu Deus! CLARA Admirou-se? PEDRO ALVES Assusto-me com a idéia da felicidade. Deixe-me beijar a sua mão? CLARA A minha mão vale bem dois meses de espera e receio; não vale? PEDRO ALVES (enfiado) Vale. CLARA

(sem reparar)

Pode beijá-la! É o penhor dos esponsais. PEDRO ALVES

(consigo)

Fui longe demais! (alto, beijando a mão de Clara) Este é o mais belo dia de minha vida!

Cena VII

CLARA, PEDRO ALVES, LUÍS LUÍS (entrando) Ah!... PEDRO ALVES Chegou a propósito. CLARA Dou-lhe parte do meu casamento com o Sr. Pedro Alves. PEDRO ALVES

O mais breve possível. LUÍS Os meus parabéns a ambos. CLARA A resolução foi um pouco súbita, mas nem por isso deixa de ser refletida. LUÍS Súbita, decerto, porque eu não contava com uma semelhante declaração neste

momento. Quando são os desposórios? CLARA Pelos fins do verão, não, meu amigo? PEDRO ALVES (com importância) Sim, pelos fins do verão. CLARA Faz-nos a honra de ser uma das testemunhas? PEDRO ALVES Oh! isso é demais. LUÍS Desculpe-me, mas eu não posso. Vou fazer uma viagem. CLARA Até onde? LUÍS Pretendo abjurar em qualquer cidade mourisca e fazer depois a peregrinação da

Meca. Preenchido este dever de um bom maometano irei entre as tribos do deserto procurar a exceção que não encontrei ainda no nosso clima cristão. CLARA Tão longe, meu Deus! Parece-me que trabalhará debalde. LUÍS Vou tentar. PEDRO ALVES Mas tenta um sacrifício.

LUÍS Não faz mal. PEDRO ALVES

(a Clara, baixo)

Está doido! CLARA Mas virá despedir-se de nós? LUÍS Sem dúvida. (baixo a Pedro Alves) Curvo-me ao vencedor, mas consola-me a idéia

de que, contra as suas previsões, paga as despesas da guerra. (alto) V. Exa. dá- me licença? CLARA Onde vai? LUÍS Retiro-me para casa. CLARA Não fica para jantar? LUÍS Vou aprontar a minha bagagem. CLARA Leva a lembrança dos amigos no fundo das malas, não? LUÍS Sim, minha senhora, ao lado de alguns volumes de Alphonse Karr.

SEGUNDA PARTE

Na Corte

(Uma sala em casa de Pedro Alves.)

Cena I

CLARA, PEDRO ALVES PEDRO ALVES Ora, não convém por modo algum que a mulher de um deputado ministerialista vá

à partida de um membro da oposição. Em rigor, nada há de admirar nisso. Mas o que não dirá a imprensa governista! O que não dirão os meus colegas da maioria! Está lendo?

CLARA

Estou folheando este álbum.

PEDRO ALVES

Nesse caso, repito-lhe que não convém...

CLARA

Não precisa, ouvi tudo.

PEDRO ALVES

(levantando-se)

Pois aí está; fique com a minha opinião. CLARA Prefiro a minha. PEDRO ALVES Prefere... CLARA Prefiro ir à partida do membro da oposição. PEDRO ALVES Isso não é possível. Oponho-me com todas as forças. CLARA Ora, veja o que é o hábito do parlamento! Opõe-se a mim, como se eu fosse um

adversário político. Veja que não esta na câmara, e que eu sou mulher. PEDRO ALVES Mesmo por isso. Deve compreender os meus interesses e não querer que seja alvo

dos tiros dos maldizentes. Já não lhe falo nos direitos que me estão confiados

como marido...

CLARA Se é tão aborrecido na câmara como é cá em casa, tenho pena do ministério e da maioria.

PEDRO ALVES

Clara!

CLARA De que direitos me fala? Concedo-lhe todos quantos queira, menos o de me aborrecer; e privar-me de ir a esta partida, é aborrecer-me.

PEDRO ALVES Falemos como amigos. Dizendo que desistas do teu intento, tenho dois motivos: um político e outro conjugal. Já te falei do primeiro.

CLARA Vamos ao segundo. PEDRO ALVES O segundo é este. As nossas primeiras vinte e quatro horas de casamento,

passaram para mim rápidas como um relâmpago. Sabes por quê? Porque a nossa lua-de-mel não durou mais que esse espaço. Supus que unindo-te a mim, deixasses um pouco a vida dos passeios, dos teatros, dos bailes. Enganei-me; nada mudaste em teus hábitos; eu posso dizer que não me casei para mim. Fui forçado a acompanhar-te por toda a parte, ainda que isso me custasse grande aborrecimento.

CLARA E depois? PEDRO ALVES Depois, é que esperando ver-te cansada dessa vida, reparo com pesar que

continuas na mesma e muito longe ainda de a deixar. CLARA Conclusão: devo romper com a sociedade e voltar a alongar as suas vinte e quatro

horas de lua-de-mel, vivendo beatificamente ao lado um do outro, debaixo do teto conjugal... PEDRO ALVES Como dois pombos.

CLARA Como dois pombos ridículos! Gosto de ouvi-lo com essas recriminações. Quem o atender, supõe que se casou comigo pelos impulsos do coração. A verdade é que me esposou por vaidade, e que quer continuar essa lua-de-mel, não por amor, mas pelo susto natural de um proprietário, que receia perder um cabedal precioso.

PEDRO ALVES Oh! CLARA Não serei um cabedal precioso? PEDRO ALVES Não digo isso. Protesto, sim, contra as tuas conclusões.

CLARA

O protesto é outro hábito do parlamento! Exemplo às mulheres futuras do quanto,

no mesmo homem, fica o marido suplantado pelo deputado.

PEDRO ALVES

Está bom, Clara, concedo-te tudo.

CLARA

Obrigada!

PEDRO ALVES

Não se dirá que te contrariei nunca.

CLARA

A história há de fazer-te justiça.

PEDRO ALVES

Acabemos com isto. Estas pequenas rixas azedam-me o espírito, e não lucramos

nada com elas. CLARA Acho que sim. Deixe de ser ridículo, que eu continuarei nas mais benévolas

disposições. Para começar, não vou à partida da minha amiga Carlota. Está satisfeito? PEDRO ALVES Estou.

CLARA Bem. Não esqueça de ir buscar minha filha. É tempo de apresentá-la à sociedade. A pobre Clarinha deve estar bem desconhecida. Está moça e ainda no colégio. Tem sido um descuido nosso.

PEDRO ALVES

Irei buscá-la amanhã.

CLARA

Pois bem. (sai)

Cena II

PEDRO ALVES E UM CRIADO PEDRO ALVES Safa! Que maçada!

O CRIADO Está aí uma pessoa que lhe quer falar. PEDRO ALVES Faze-a entrar.

Cena III

PEDRO ALVES, LUÍS DE MELO PEDRO ALVES Que vejo! LUÍS Luís de Melo, lembra-se? PEDRO ALVES Muito. Venha um abraço! Então como está? Quando chegou? LUÍS Pelo último paquete. PEDRO ALVES Ah! Não li nos jornais... LUÍS O meu nome é tão vulgar que facilmente se confunde com os outros. PEDRO ALVES Confesso que só agora sei que está no Rio de Janeiro. Sentemo-nos. Então andou

muito pela Europa? LUÍS Pela Europa quase nada; a maior parte do tempo gastei em atravessar o Oriente. PEDRO ALVES Sempre realizou a sua idéia? LUÍS É verdade, vi tudo o que a minha fortuna podia oferecer aos meus instintos

artísticos. PEDRO ALVES Que de impressões havia de ter! Muito turco, muito árabe, muita mulher bonita,

não? Diga-me uma coisa, há também ciúmes por lá?

LUÍS Há. PEDRO ALVES Contar-me-á a sua viagem por extenso. LUÍS Sim, com mais descanso. Está de saúde a senhora D. Clara Alves? PEDRO ALVES De perfeita saúde. Tenho muito que lhe dizer respeito ao que se passou depois

que se foi embora. LUIS Ah! PEDRO ALVES Passei estes cinco anos no meio da mais completa felicidade. Ninguém melhor

saboreou as delícias do casamento. A nossa vida conjugal pode-se dizer que é um

céu sem nuvens. Ambos nos desvelamos por agradar um ao outro.

LUÍS

É uma lua-de-mel sem ocaso.

PEDRO ALVES

E lua cheia.

LUÍS Tanto melhor! Folgo de vê-los felizes. A felicidade na família é uma cópia, ainda que pálida, da bem-aventurança celeste. Pelo contrário, os tormentos domésticos representam na terra o purgatório.

PEDRO ALVES

Apoiado!

LUÍS

Por isso estimo que acertasse com a primeira.

PEDRO ALVES

Acertei. Ora, do que eu me admiro não é do acerto, mas do modo por que de

pronto me habituei à vida conjugal. Parece-me incrível. Quando me lembro da

minha vida de solteiro, vida de borboleta, ágil e incapaz de pousar definitivamente

sobre uma flor...

LUÍS

A coisa explica-se. Tal seria o modo por que o enredaram e pregaram com o competente alfinete no fundo desse quadro chamado — lar doméstico! PEDRO ALVES Sim, creio que é isso. LUÍS De maneira que hoje é pelo casamento? PEDRO ALVES De todo o coração. LUÍS Está feito, perdeu-se um folgazão, mas ganhou-se um homem de bem. PEDRO ALVES Ande lá. Aposto que também tem vontade de romper a cadeia do passado? LUÍS Não será difícil. PEDRO ALVES Pois é o que deve fazer. LUÍS Veja o que é o egoísmo humano. Como renegou da vida de solteiro, quer que

todos professem a religião do matrimônio. PEDRO ALVES Escusa moralizar. LUÍS É verdade que é uma religião tão doce! PEDRO ALVES Ah!... Sabe que estou deputado? LUÍS Sei e dou-lhe os meus parabéns. PEDRO ALVES Alcancei um diploma na última eleição. Na minha idade ainda é tempo de começar

a vida política, e nas circunstâncias eu não tinha outra a seguir mais apropriada.

Fugindo às antigas parcialidades políticas, defendendo os interesses do distrito que

represento, e como o governo mostra zelar esses interesses, sou pelo governo.

LUÍS

É lógico. PEDRO ALVES Graças a esta posição independente, constituí-me um dos chefes da maioria da

câmara. LUÍS Ah! ah! PEDRO ALVES Acha que vou depressa? Os meus talentos políticos dão razão da celebridade da

minha carreira. Se eu fosse uma nulidade, nem alcançaria um diploma. Não acha? LUÍS Tem razão. PEDRO ALVES Por que não tenta a política? LUÍS Porque a política é uma vocação e quando não é vocação é uma especulação.

Acontece muitas vezes que, depois de ensaiar diversos caminhos para chegar ao futuro, depara-se finalmente com o da política para o qual convergem as aspirações íntimas. Comigo não se dá isso. Quando mesmo o encontrasse juncado de flores, passaria por ele para tomar outro mais modesto. Do contrário seria fazer política de especulação.

PEDRO ALVES Pensa bem. LUÍS Prefiro a obscuridade ao remorso que me ficaria de representar um papel ridículo. PEDRO ALVES Gosto de ouvir falar assim. Pelo menos, é franco e vai logo dando o nome às

coisas. Ora, depois de uma ausência de cinco anos parece que há vontade de passar algumas horas juntos, não? Fique para jantar conosco.

Cena IV

CLARA, PEDRO ALVES, LUÍS PEDRO ALVES Clara, aqui está um velho amigo que não vemos há cinco anos. CLARA Ah! O Sr. Luís de Melo!

LUÍS Em pessoa, minha senhora. CLARA Seja muito bem-vindo! Causa-me uma surpresa agradável. LUÍS

V. Exa. honra-me. CLARA Venha sentar-se. O que nos conta? LUÍS (conduzindo-a para uma cadeira) Para contar tudo fora preciso um tempo interminável. CLARA Cinco anos de viagem! LUÍS Vi tudo quanto se pode ver nesse prazo. Diante de V. Exa. está um homem que

acampou ao pé das pirâmides. CLARA Oh! PEDRO ALVES Veja isto! CLARA Contemplado pelos quarenta séculos! PEDRO ALVES E nós que o fazíamos a passear pelas capitais da Europa. CLARA É verdade, não supúnhamos outra coisa. LUÍS Fui comer o pão da vida errante dos meus camaradas árabes. Boa gente! Podem

crer que deixei saudades de mim. CLARA Admira que entrasse no Rio de Janeiro com esse lúgubre vestuário da nossa

prosaica civilização. Devia trazer calça larga, alfanje e burnous. Nem ao menos burnous! Aposto que foi Cádi? LUÍS Não, minha senhora; só os filhos de Islã têm direito a esse cargo. CLARA Está feito. Vejo que sacrificou cinco anos, mas salvou a sua consciência religiosa. PEDRO ALVES Teve saudades de cá?

LUÍS À noite, na hora de repouso, lembrava-me dos amigos que deixara, e desta terra onde vi a luz. Lembrava-me do Clube, do teatro Lírico, de Petrópolis e de todas as nossas distrações. Mas vinha o dia, voltava-me eu à vida ativa, e tudo desvanecia-se como um sonho amargo.

PEDRO ALVES Bem lhe disse eu que não fosse. LUÍS Por quê? Foi a idéia mais feliz da minha vida. CLARA Faz-me lembrar o justo de que fala o poeta de Olgiato, que entre rodas de

navalhas diz estar em um leito de rosas. LUÍS São versos lindíssimos, mas sem aplicação ao caso atual. A minha viagem foi uma

viagem de artista e não de peralvilho; observei com os olhos do espírito e da inteligência. Tanto basta para que fosse uma excursão de rosas. CLARA Vale então a pena perder cinco anos? LUÍS Vale. PEDRO ALVES Se não fosse o meu distrito sempre quisera ir ver essas coisas de perto.

CLARA Mas que sacrifício! Como é possível trocar os conchegos do repouso e da quietação pelas aventuras de tão penosa viagem?

LUÍS

Se as coisas boas não se alcançassem à custa de um sacrifício, onde estaria o valor delas? O fruto maduro ao alcance da mão do bem-aventurado a quem as huris embalam, só existe no paraíso de Maomé.

CLARA

Vê-se que chega de tratar com os árabes?

LUÍS

Pela comparação? Dou-lhe outra mais ortodoxa: o fruto provado por Eva custou-

lhe o sacrifício do paraíso terrestre. CLARA Enfim, ajunte exemplo sobre exemplo, citação sobre citação, e ainda assim não

me fará sair dos meus cômodos. LUÍS O primeiro passo é difícil. Dado ele, apodera-se da gente um furor de viajar, que

eu chamarei febre de locomoção. CLARA Que se apaga pela saciedade? LUÍS Pelo cansaço. E foi o que me aconteceu: parei de cansado. Volto a repousar com

as recordações colhidas no espaço de cinco anos. CLARA Tanto melhor para nós. LUÍS

V. Exa. honra-me. CLARA Já não há medo de que o pássaro abra de novo as asas. PEDRO ALVES Quem sabe? LUÍS Tem razão; dou por findo o meu capítulo de viagem. PEDRO ALVES O pior é não querer abrir agora o da política. A propósito: são horas de ir à

câmara; há hoje uma votação a que não posso faltar. LUÍS Eu vou fazer uma visita na vizinhança.

PEDRO ALVES

À casa do comendador, não é? Clara, o Sr. Luís de Melo faz-nos a honra de jantar conosco. CLARA Ah! Quer ser completamente amável. LUÍS

V. Exa. honra-me sobremaneira... (a Clara) Minha senhora! (a Pedro Alves) Até logo, meu amigo!

Cena V

CLARA, PEDRO ALVES PEDRO ALVES Ouviu como está contente? Reconheço que não há nada para curar uma paixão do

que seja uma viagem. CLARA Ainda se lembra disso? PEDRO ALVES Se me lembro! CLARA E teria ele paixão? PEDRO ALVES Teve. Posso afiançar que a participação do nosso casamento causou-lhe a maior

dor deste mundo. CLARA Acha? PEDRO ALVES É que o gracejo era pesado demais. CLARA Se assim é, mostrou-se generoso, porque mal chegou, já nos veio visitar. PEDRO ALVES Também é verdade. Fico conhecendo que as viagens são um excelente remédio

para curar paixão.

CLARA Tenha cuidado. PEDRO ALVES Em quê? CLARA Em não soltar alguma palavra a esse respeito. PEDRO ALVES Descanse, porque eu, além de compreender as conveniências, simpatizo com este

moço e agradam-me as suas maneiras. Creio que não há crime nisto, pelo que se passou há cinco anos. CLARA Ora, crime!

PEDRO ALVES Demais, ele mostrou-se hoje tão contente como o nosso casamento, que parece completamente estranho a ele.

CLARA

Pois não vê que é um cavalheiro perfeito? Obrar de outro modo seria cobrir-se de

ridículo.

PEDRO ALVES

Bem, são onze horas, vou para câmara.

CLARA

(da porta)

Volta cedo?

PEDRO ALVES

Mal acabar a sessão. O meu chapéu? Ah! (vai buscá-lo a uma mesa. Clara sai)

Vamos lá com esta famosa votação.

Cena VI

LUÍS, PEDRO ALVES PEDRO ALVES Oh! LUÍS O comendador não estava em casa, lá deixei o meu cartão de visita. Aonde vai?

PEDRO ALVES À câmara. LUÍS Ah! PEDRO ALVES Venha comigo. LUÍS Não se pode demorar alguns minutos? PEDRO ALVES Posso. LUÍS Pois conversemos. PEDRO ALVES Dou-lhe meia hora. LUÍS Demais o seu boleeiro dorme tão a sono solto que é uma pena acordá-lo. PEDRO ALVES O tratante não faz outra coisa. LUÍS O que lhe vou comunicar é grave e importante. PEDRO ALVES Não me assuste. LUÍS Não há de quê. Ouça, porém. Chegado há três dias, tive eu tempo de ir ontem

mesmo a um baile. Estava com sede de voltar à vida ativa em que me eduquei e não perdi a oportunidade. PEDRO ALVES Compreendo a sofreguidão. LUÍS O baile foi na casa do colégio da sua enteada. PEDRO ALVES

Minha mulher não foi por causa de um leve incômodo. Dizem que esteve uma bonita função. LUÍS É verdade. PEDRO ALVES Não achou a Clarinha uma bonita moça? LUÍS Se achei bonita? Tanto que venho pedi-la em casamento. PEDRO ALVES Oh! LUÍS De que se admira? Acha extraordinário? PEDRO ALVES Não, pelo contrário, acho natural. LUÍS Faço-lhe o pedido com franqueza; peço-lhe que responda com igual franqueza. PEDRO ALVES Oh! Da minha parte a resposta é toda afirmativa. LUÍS Posso contar com igual resposta da outra parte? PEDRO ALVES Se houver dúvida, aqui estou eu para pleitear a sua casa. LUÍS Tanto melhor. PEDRO ALVES Tencionávamos trazê-la amanhã cedo para casa. LUÍS Graças a Deus! Cheguei a tempo. PEDRO ALVES Com franqueza, causa-me com isso um grande prazer.

LUÍS Sim? PEDRO ALVES Confirmaremos pelos laços do parentesco os vínculos da simpatia. LUÍS Obrigado. O casamento é contagioso, e a felicidade alheia é um estímulo. Quando

ontem saí do baile trouxe o coração aceso, mas nada tinha assentado de

definitivo. Porém tanto lhe ouvi falar de sua felicidade que não pude deixar de

pedir-lhe me auxilie no intento de ser também feliz.

PEDRO ALVES

Bem lhe dizia eu há pouco que havia de me acompanhar os passos.

LUÍS

Achei essa moça, que apenas sai da infância, tão simples e tão cândida, que não

pude deixar de olhá-la como o gênio benfazejo da minha sorte futura. Não sei se ao meu pedido corresponderá à vontade dela, mas resigno-me às conseqüências. PEDRO ALVES Tudo será feito a seu favor.

LUÍS Eu mesmo irei pedi-la à Sra. D. Clara. Se porventura encontrar oposição, peço-lhe então que interceda por mim.

PEDRO ALVES

Fica entendido.

LUÍS

Hoje que volto ao repouso, creio que me fará bem a vida pacífica, no meio dos

afagos de uma esposa terna e bonita. Para que o pássaro não torne a abrir as

asas, é preciso dar-lhe gaiola e uma linda gaiola.

PEDRO ALVES Bem; eu vou para câmara e volto apenas acabada a votação. Fique aqui e exponha a sua causa à minha mulher que o ouvirá com benevolência.

LUÍS

Dá-me esperanças?

PEDRO ALVES

Todas. Seja firme e instante.

Cena VII

CLARA, LUÍS LUÍS Parece-me que vou entrar em uma batalha. CLARA Ah! não esperava encontrá-lo. LUÍS Estive com o Sr. Pedro Alves. Neste momento foi ele para a câmara. Ouça: lá

partiu o carro. CLARA Conversaram muito? LUÍS Alguma coisa, minha senhora. CLARA Como bons amigos? LUÍS Como excelentes amigos. CLARA Contou-lhe a sua viagem? LUÍS Já tive a honra de dizer a V. Exa. que a minha viagem pede muito tempo para ser

narrada. CLARA Escreva-a então. Há muito episódio? LUÍS Episódios de viagem, tão-somente, mas que trazem sempre a sua novidade. CLARA O seu escrito brilhará pela imaginação, pelos belos achados da sua fantasia. LUÍS É o meu pecado original. CLARA Pecado?

LUÍS A imaginação. CLARA Não vejo pecado nisso. LUÍS A fantasia é um vidro de cor, um óculo brilhante, porém mentiroso... CLARA Não me lembra de lhe ter dito isso. LUÍS Também eu não digo que V. Exa. mo tenha dito. CLARA Faz mal em vir do deserto, só para recordar algumas palavras que me escaparam

há cinco anos. LUÍS Repeti-as como de autoridade. Não eram a sua opinião? CLARA Se quer que lhe minta, respondo afirmativamente. LUÍS Então deveras vale alguma coisa elevar-se acima dos espíritos vulgares e ver a

realidade das coisas pela porta da imaginação? CLARA Se vale! A vida fora bem prosaica se lhe não emprestássemos cores nossas e não

a vestíssemos à nossa maneira. LUÍS Perdão, mas... CLARA Pode averbar-me de suspeita, está no seu direito. Nós outras as mulheres, somos

as filhas da fantasia; é preciso levar em conta que eu falo em defesa da mãe comum. LUÍS Está-me fazendo crer em milagres? CLARA

Onde vê o milagre? LUÍS Na conversão de V. Exa. CLARA Não crê que eu esteja falando a verdade? LUÍS Creio que é tão verdadeira hoje, como foi há cinco anos, e é nisso que está o

milagre da conversão. CLARA Pois será conversão. Não tem mais que bater palmas pela ovelha rebelde que

volta ao aprisco. Os homens tomaram tudo e mal deixaram às mulheres as regiões

do ideal. As mulheres ganharam. Para a maior parte o ideal da felicidade é a vida

plácida, no meio das flores, ao pé de um coração que palpita. Elas sonham com o

perfume das flores, com as escumas do mar, com os raios da lua e todo o material

da poesia moderna. São almas delicadas, mal compreendidas e muito caluniadas.

LUÍS

Não defenda com tanto ardor o seu sexo, minha senhora. É de uma alma

generosa, mas não de um gênio observador.

CLARA

Anda assim mal com ele?

LUÍS

Mal por quê?

CLARA

Eu sei!

LUÍS

Aprendi a respeitá-lo, e quando assim não fosse, sei perdoar.

CLARA

Perdoar, como os reis, as ofensas por outrem recebidas.

LUÍS

Não, perdoar as próprias.

CLARA

Ah! Foi vítima! Tinha vontade de conhecer o seu algoz. Como se chama?

LUÍS

Não costumo a conservar tais nomes.

CLARA Reparo uma coisa. LUÍS O que é? CLARA É que em vez de voltar mouro, voltou profundamente cristão. LUÍS Voltei como fui: fui homem e voltei homem. CLARA Chama ser homem o ser cruel? LUÍS Cruel em quê? CLARA Cruel, cruel como todos são! A generosidade humana não pára no perdão das

culpas, vai até o conforto do culpado. Nesta parte não vejo os homens de acordo

com o evangelho.

LUÍS É que os homens que inventaram a expiação legal, consagram também uma expiação moral. Quando esta não se dá, o perdão não é um dever, porém uma esmola que se faz à consciência culpada, e tanto basta para desempenho da caridade cristã.

CLARA

O que é essa expiação moral?

LUÍS

É o remorso.

CLARA

Conhece tabeliães que passam certificados de remorso? É uma expiação que pode

não ser acreditada e existir entretanto. LUÍS É verdade. Mas para os casos morais há provas morais. CLARA Adquiriu essa rigidez no trato com os árabes? LUÍS

Valia a pena ir tão longe para adquiri-la, não acha? CLARA Valia. LUÍS Posso elevar-me assim ate ser um espírito sólido. CLARA Espírito sólido? Não há dessa gente por onde andou? LUÍS No Oriente tudo é poeta, e os poetas dispensam bem a glória de espíritos sólidos. CLARA Predomina lá a imaginação, não é? LUÍS Com toda a força do verbo. CLARA Faz-me crer que encontrou a suspirada exceção que... lembra-se? LUÍS Encontrei, mas deixei-a passar. CLARA Oh! LUÍS Escrúpulo religioso, orgulho nacional, que sei eu? CLARA Cinco anos perdidos! LUÍS Cinco anos ganhos. Gastei-os a passear, enquanto a minha violeta se educava cá

num jardim. CLARA Ah!... viva então nosso clima! LUÍS Depois de longos dias de solidão, há necessidade de quem nos venha fazer

companhia, compartir as nossas alegrias e mágoas, e arrancar o primeiro cabelo

que nos alvejar. CLARA Há. LUÍS Não acha? CLARA Mas quando pensando encontrar a companhia desejada, encontra-se o

aborrecimento e a insipidez encarnados no objeto da nossa escolha? LUÍS Nem sempre é assim. CLARA As mais das vezes é. Tenha cuidado! LUÍS Oh! por esse lado estou livre de errar. CLARA Mas onde está essa flor? LUÍS Quer saber? CLARA Quero, e também o seu nome. LUÍS O seu nome é lindíssimo. Chama-se Clara. CLARA Obrigada! E eu conheço-a? LUÍS Tanto como a si própria. CLARA Sou sua amiga? LUÍS Tanto como o é de si. CLARA

Não sei quem seja. LUÍS Deixemos o terreno das alusões vagas; é melhor falar francamente. Venho pedir-

lhe a mão de sua filha. CLARA De Clara! LUÍS Sim, minha senhora. Vi-a há dois dias; está bela como a adolescência em que

entrou. Revela uma expressão de candura tão angélica que não pode deixar de

agradar a um homem de imaginação, como eu. Tem além disso uma vantagem:

não entrou ainda no mundo, está pura de todo contato social; para ela os homens

estão na mesma plana e o seu espírito ainda não pode fazer distinção entre o

espírito sólido e o homem do ideal. É-lhe fácil aceitar um ou outro.

CLARA

Com efeito, é uma surpresa com que eu menos contava.

LUÍS

Posso considerar-me feliz?

CLARA

Eu sei! Por mim decido, mas eu não sou a cabeça do casal.

LUÍS

Pedro Alves já me deu seu consentimento.

CLARA

Ah!

LUÍS

Versou sobre isso a nossa conversa.

CLARA

Nunca pensei que chegássemos a esta situação.

LUÍS

Falo como um parente. Se V. Exa. não teve bastante espírito para ser minha

esposa, deve tê-lo pelo menos, para ser minha sogra. CLARA Ah! LUÍS

Que quer? Todos temos um dia de desencantos. O meu foi há cinco anos, hoje o desencantado não sou eu.

Cena VIII

LUÍS, PEDRO ALVES, CLARA PEDRO ALVES Não houve sessão: a minoria fez gazeta. (a Luis) Então? LUÍS Tenho o consentimento de ambos. PEDRO ALVES Clara não podia deixar de atender ao seu pedido. CLARA Peço-lhe que faça a felicidade dela. LUÍS Consagrarei nisso minha vida. PEDRO ALVES Por mim, hei de sempre ver se posso resolvê-lo a aceitar um distrito nas próximas

eleições. LUÍS Não será melhor ver primeiro se o distrito me aceitará?

FIM


* * *




Machado de Assis - Teatro - Links

Conteúdo correspondente: