Augusto dos Anjos - 042 - O corrupião





Augusto dos Anjos - 042 - O corrupião


Escaveirado corrupião idiota,

Olha a atmosfera livre, o amplo éter belo,

E a alga criptógama e a úsnea e o cogumelo,

Que do fundo do chão todo o ano brota!


Mas a ânsia de alto voar, de à antiga rota

Voar, não tens mais! E pois, preto e amarelo,

Pões-te a assobiar, bruto, sem cerebelo

A gargalhada da última derrota!


A gaiola aboliu tua vontade.

Tu nunca mais verás a liberdade!...

Ah! Tu somente ainda és igual a mim.


Continua a comer teu milho alpiste.

Foi este mundo que me fez tão triste,

Foi a gaiola que te pôs assim!


Augusto dos ANJOS (1884 - 1914) - Eu e Outras Poesias.


Augusto dos Anjos é um dos mais originais poetas brasileiros, e também um dos mais populares. Sua obra consiste, porém, em apenas um livro. Eu foi publicado ainda em vida do autor; outros poemas, publicados em periódicos ou inéditos, foram coligidos após sua morte e acrescentados ao volume organizado pelo autor, renomeado então Eu e Outras Poesias . Aclamada pelo público e pela crítica, sua obra foi repudiada por muitos em sua época, e ainda causa estranheza, pela mistura de vocabulário coloquial e científico, pelos temas exacerbadamente macabros e pessimistas, pelo exagero sistemáticos na linguagem e no tratamento dos temas. Não obstante as controvérsias que cercam sua obra, muitos de seus versos caíram no uso popular, tais como um urubu pousou em minha sorte , a mão que afaga é a mesma que apedreja e outros.




 Augusto dos Anjos - 042 - O corrupião

Conteúdo correspondente: