Poesia: recriando palavras e realidade



O conhecimento do mundo não se dá somente por leituras de textos científicos. O texto poético, por exemplo, transforma as ações da humanidade por meio do sentimento e da intuição, isso porque a poesia fala direto à imaginação.

Assim, quando se lê um texto poético, podem-se construir seus significados com base nas experiências vividas, nos órgãos dos sentidos e perceber a realidade pelas diferentes formas dadas às palavras. Dessa maneira, cada cultura, cada sociedade em uma época retrata o entendimento que tem do mundo.

Para fazer arte com a palavra, alguns poetas preferem formatos mais fixos para as estrofes e versos, outros preferem dar liberdade à estrutura dos poemas, aproveitando o espaço do papel e o conteúdo visual como elementos significativos. Não importa, pois o que conta é a capacidade de recriar a realidade por meio das palavras, que são combinadas de maneira pessoal, subjetiva.




Anatomia do monólogo


SER OU NÃO SER?

ER OU NÃO ER?

r ou não r

OU NÃO?

ONÃ?


PAES, José Paulo. Anatomia do monólogo. In: NICOLA, José de. Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias. 11. ed. São Paulo: Scipione, 1995.




Vai e vem


 Vai e vem

GRÜNEWALD, José Lino. Vai e vem. In: NICOLA, José de. Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias. 11. ed. São Paulo: Scipione, 1995.





Poesia visual


  Poesia visual

Capparelli, Sérgio; Gruszynski, Ana Cláudia. Poesia visual. 3. ed. São Paulo: Global, 2002.





Glossário


Anatomia: dissecação do corpo humano ou de qualquer animal ou vegetal para estudo e conhecimento de sua organização interna.







Conteúdo correspondente: