João da Cruz e Sousa - Broquéis - 48 - Supremo Desejo





João da Cruz e Sousa - Broquéis - 48 - Supremo Desejo


Eternas, imortais origens vivas

Da Luz, do Aroma, segredantes vozes

Do mar e luares de contemplativas,

Vagas visões volúpicas, velozes...


Aladas alegrias sugestivas

De asa radiante e branca de albornozes,

Tribos gloriosas, fulgidas, altivas,

De condores e de águias e albatrozes...


Espiritualizai nos Astros louros,

Do sol entre os clarões imorredouros

Toda esta dor que na minh'alma clama...


Quero vê-la subir, ficar cantando

Na chama das Estrelas, dardejando

Nas luminosas sensações da chama.



João da CRUZ E SOUSA (1861 - 1898) foi um poeta brasileiro, considerado um dos precursores do movimento simbolista no Brasil. Seus poemas são marcados pela musicalidade e pelo sensualismo, mesclado com uma espiritualidade e religiosidade de maneira às vezes espantosa. Broquéis foi seu livro de estréia, e contém algumas de suas obras mais famosas, como o poema Antífona, peça de abertura do livro.




 João da Cruz e Sousa - Broquéis - 48 - Supremo Desejo

Conteúdo correspondente: