MENU

Poema

Cantico Negro - Jose Regio

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)

O Navio Negreiro - Castro Alves
Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões
Canção do exílio - Gonçalves Dias
How Do I Love Thee? - Elizabeth Barrett Browning
Lembrança de Morrer - Álvares de Azevedo
Los Naranjos - Ignacio Manuel Altamirano
Vozes d'África - Castro Alves
Busque Amor Novas Artes, Novo Engenho - Luís Vaz de Camões
A Canção do Africano - Castro Alves
Versos íntimos - Augusto dos Anjos
Psicologia de um Vencido - Augusto dos Anjos
Ismalia - Alphonsus de Guimaraens
Antífona - João da Cruz e Sousa
As Pombas - Raimundo Correia
Ela - Machado de Assis
Motivo - Cecilia Meireles
À Cidade da Bahia - Gregório de Matos
Que falta nesta cidade - Gregório de Matos
Nel mezzo del camim - Olavo Bilac
A Alvorada do Amor - Olavo Bilac

Cantico Negro - Jose Regio

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)

E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.

— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...



Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !

Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.



Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,

É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!


Mais de sanderlei.com.br

Música - Song
Radar by Sanderlei (TRENDS)
Tudo que rola no mundo musical, incluindo Billboard Hot 100 e músicas de mais de 100 países em 50 diferentes línguas.

PDF Domínio Público
Livros em PDF para Download
Lista completa de Livros em PDF para Download em Domínio Público

Just Go - Viagem Volta ao Mundo
#JustGo - Sanderlei Silveira

Poesia
Poemas by Sanderlei

A Boneca - Olavo Bilac
Descalça vai para a fonte - Luís Vaz de Camões
Ao braço do mesmo menino Jesus quando apareceu - Gregorio de Matos
Língua Portuguesa - Olavo Bilac
Transforma se o Amador na Cousa Amada - Luís Vaz de Camões
Tragédia no lar - Castro Alves
Alma minha gentil que te partiste - Luís Vaz de Camões
A Carolina - Machado de Assis
Como Quando do Mar Tempestuoso - Luís Vaz de Camões
Velhas Árvores - Olavo Bilac
Balada da Neve - Augusto Gil
A mãe do cativo - Castro Alves
Sôbolos rios que vão - Luís Vaz de Camões
Bandido Negro - Castro Alves
Quase - Mário de Sá-Carneiro
A cruz da estrada - Castro Alves
Amar - Florbela Espanca
Budismo Moderno - Augusto dos Anjos
O morcego - Augusto dos Anjos
Porque Quereis, Senhora, que Ofereça - Luís Vaz de Camões
Marabá - Gonçalves Dias
A moleirinha - Guerra Junqueiro
Incensos - João da Cruz e Sousa
Vozes da Morte - Augusto dos Anjos
Cantata à morte de Inês de Castro - Bocage
Fábula - O pássaro e a flor - Castro Alves
A ideia - Augusto dos Anjos
Quem Ve, Senhora, Claro e Manifesto - Luís Vaz de Camões
América - Castro Alves
Mater Dolorosa - Castro Alves
Os doentes - Augusto dos Anjos
Música Misteriosa - João da Cruz e Sousa
Remorso - Castro Alves
O deus-verme - Augusto dos Anjos
O Diário de Anne Frank - PDF
Foi ja Num Tempo Doce Cousa Amar - Luís Vaz de Camões
Saudação a Palmares - Castro Alves
A Esperança - Augusto dos Anjos
Ad veneris lacrimas - Pedro Kilkerry
Vandalismo - Augusto dos Anjos
Aqui sob esta abóbada - Nísia Floresta
Natal Brasileiro - Julia Lopes
Acordes Poéticos - Julia da Costa
Saudade - Gabriela de Andrada
Cristais - João da Cruz e Sousa
Fermosos Olhos que na Idade Nossa - Luís Vaz de Camões
Solitário - Augusto dos Anjos
Siderações - João da Cruz e Sousa
Poema Negro - Augusto dos Anjos
Musa Impassível II - Francisca Julia
Vozes de um túmulo - Augusto dos Anjos
Saudade - Augusto dos Anjos
Musa impassível - Francisca Julia
Desejo Inútil - Francisca Julia
Rimas Alegres - Ana Lima Pimentel
Máximas cristãs, e políticas - Ângela do Amaral Rangel
Sonhei - Angelina Macedo
Ao cair da noite - Auta de Souza
Na Capelinha - Auta de Souza
Súplica - Auta de Souza
Languidez - Florbela Espanca
Escreve-me - Florbela Espanca
Doce Milagre - Florbela Espanca
Este Livro - Florbela Espanca
Ser Poeta - Florbela Espanca
Se tu viesses ver-me - Florbela Espanca
Estátua - Camilo Pessanha
A uma Ausência - Soror Violante do Céu
Fim - Mário de Sá-Carneiro
Já Bocage não sou! À cova escura - Bocage
Cantico Negro - Jose Regio